Everybody knows that our cities were built to be destroyed

por Felipe Vicari de Carli

Felipe Daroit

“We had the experience, but missed the meaning”

T.S. Eliot

               

Todo mundo sabe que nas instâncias celestes existe uma ordem incorruptível que governa o movimento das esferas e que assegura a aparição das estrelas e constelações de acordo com as cartas astrais que costumavam vir na última página dos nossos mais que interessantes catálogos mensais de curiosidades. Era certa a correspondência; elas, as estrelas e as constelações, estavam lá; mas, derrotadas pelas nebulosas da luz elétrica e das partículas em suspensão no ar, apareciam para olhos que não as podiam ver. O fato, entretanto, era trivial demais para que nos preocupássemos: tínhamos os mapas e a representação do imutável garantia-nos o cosmo. Perdemos a experiência, mas tínhamos o sentido.

Tudo se manteria tal e qual até segunda e apocalíptica ordem. De repente, quando soaram as trombetas, descobrimos que o anticristo não tinha vinte centavos para a passagem do ônibus, andava a pé e cobria o rosto, era lerdo para desviar da bala de borracha e vulnerável ao gás lacrimogêneo. E que, demasiado humano para intervir no teatro celestial, restava ao pobre diabo vitimar esse sucedâneo cósmico chamado vidraça. Não importa, tivemos a experiência, mas mantivemos o velho sentido: com deus já morto, este era o apocalipse que nos cabia. Fiéis ao defunto, renegávamos o anticristo com ditirambos fúnebres em homenagem à vidraça. Não há, afinal, justiça maior do que na integridade da vidraça, já nos diziam os zerotolerantes das Janelas Quebradas.

E tripudiamos. Suplicamos por mais reação policial. Imitamos todos a carranca de minha avó e soltamos em coro aquela imprecação que até então eu jurava ser impossível entre jovens menores de oitenta anos: baderneiros. Numa feliz coincidência entre, em ordem de importância, polícia, governo, ministério público, imprensa golpista (sic), diluidores pós-rancor e judiciário, inventamos uma nova minoria: a minoria de vândalos. Saímos à rua sem violência sem partido e sem transtorno (só a desculpa pelo) para cantar o hino e aplaudir o ame-o ou deixe-o com que se fantasiou o prédio do FIESP, e assim garantimos que a minoria era minoria, e, além de minoria, mas como toda minoria, violenta. Só que tivemos a experiência e perdemos completamente o sentido: violento foi o pixo, cósmica a parede; violento o vagabundo, cósmico o dia útil; violento o índio, cósmico o progresso; violentas as ocupações, cósmico o padrão FIFA de exceção. Cósmica a bomba, supremamente cósmico o efeito moral.

Felipe Vicari de Carli
Felipe Vicari de Carli

http://twitter.com/vicaridecarli