Sem luz no fim do aquecimento global

por Tiago Thuin

O imobilismo dos governos frente ao aquecimento global, criticado até por alguém tão insuspeito de esquerdismo quanto o ex-presidente da Colômbia Álvaro Uribe, que dizia que as convenções internacionais sobre o tema soltavam mais carbono do que poupavam, pode ser considerado estranho por alguém que considere o problema sério, e a maioria dos líderes globais atores racionais. Afinal, o aquecimento global é um problema irreversível e capaz de trazer sérios danos para a humanidade, e isso não é mais, fora da política, algo tão controverso assim. Pode-se vislumbrar o quanto o aquecimento global antropogênico já passou de controvérsia científica a base de conhecimento aceita, mais do que pelos resultados dos painéis de investigação da ONU sobre o tema, pela preocupação que grupos arquiconservadores como as companhias de seguros demonstram. E no entanto os governos parecem continuar mais preocupados em assegurar suas próprias fontes de combustível fóssil do que em reduzir o uso global, ou em garantir que a redução global seja um fardo que caia antes nos outros do que em si. Mesmo quando, como é o caso da Rússia ou do Brasil, o espaço para redução das emissões de gases de efeito estufa (GHG) com pouco ou nenhum impacto na economia é imenso.

Parêntesis: Digo danos à humanidade, e não ao planeta, porque vamos ser sinceros: o planeta não está em perigo. A Terra é uma bola de seis sextilhões de toneladas de ferro, com 12,800km de diâmetro e, para destruí-la, só com um impacto várias ordens de grandeza maior do que a Lua de repente caindo em cima (bem, ok, tem outras possibilidades neste site). Mesmo se você quiser dizer “acabar com a vida na terra”, aquela película de musgo que adere à fina pele de pedra na bolona de ferro, é altamente improvável que consigamos detonar essa. A extinção em massa antropogênica é forte, é quase equivalente ao evento K-T que acabou com os dinossauros, mas ainda empalidece quando comparada com a do final do Permiano; e mesmo essa não chegou nem perto de acabar com a vida observável em registros fósseis da terra. E a não observável – bactérias e archaea – é muito mais importante e resistente. Existem archaea vivendo a vários quilômetros de profundidade na crosta terrestre, em temperaturas superiores a 200ºC; você acha que uma mudança pequena na composição da atmosfera ou na temperatura média da superfície os incomodaria?

A tragédia dos comuns, anunciada

Sinceramente, mesmo acabar com a humanidade é improvável. E aí está, creio, uma das chaves para a explicação sobre a ineficácia das reuniões sobre aquecimento global, a pragmática: o aquecimento global não tem efeitos homogêneos, globais. Tem efeitos diferentes em cada lugar e pra cada pessoa, que dependem em boa parte dos recursos de que já se dispõe, como outros impactos espalhados, além da situação geográfica. Ainda que deixemos o planeta uns 12º mais quente, com mares ácidos de carbono, há uma boa possibilidade de que as entidades políticas atuais sobrevivam (fora Bangladesh, que afunda). Veremos muita guerra – aliás, elas talvez já tenham começado: há quem atribua aos efeitos do aquecimento global a guerra civil síria – mas boa parte delas sobrevivem; algumas, como Canadá e Rússia, até lucram com a abertura de áreas hoje ocupadas pelo permafrost à agricultura permanente. Com transmissão intergeneracional de riqueza intacta, ou seja, os que mais lucram hoje vão continuar lucrando amanhã. Baixas – serão, provavelmente, muitas – se concentrarão entre os mais pobres, especialmente os bangladeshis e outros que tiveram a desgraça de nascer, além de pobres, tropicais e costeiros (digamos, os habitantes da costa norte brasileira) ou em regiões áridas (digamos, os habitantes do nordeste).

Ajudando os governos no esforço de passar a bola adiante, culpando uns aos outros pela situação, está o fato de a avaliação da “culpa” individual pela emissão de GHG estar bem longe de ser algo simples ou fácil.  Por exemplo, enquanto normalmente se avalia os processos produtivos para estabelecer a emissão de cada país, a National Geographic resolveu avaliá-la pelo lado do consumo. Afinal, se a União Européia aumentou sua eficiência energética, isso foi em parte graças à terceirização da produção. Um europeu está “gastando” menos energia quando compra uma TV não porque a produção de monitores na Europa ficou muito mais eficiente, mas porque sua TV e seu carro podem vir da China e do Brasil, mas quem está tendo o benefício (uma TV nova) com esse gasto de energia é o europeu.

A distorção aí presente ajuda os governos europeus a apresentarem uma autoimagem como ecologicamente responsáveis que, paradoxalmente, faz com que os europeus se sintam pouco culpados pela situação da biosfera, como aponta a Economist. É uma estratégia mais tortuosa do que a dos políticos americanos ou canadenses, que simplesmente negam de pés juntos que haja qualquer problema, e talvez mais eficaz: assumindo-se que há problema e imputando, injustamente, esse problema primariamente aos terceiromundistas, pode-se impor acordos que deixam uma maior proporção do ônus de resolver o problema nas mãos do terceiro mundo. (Ajuda, também, a superestimar a possibilidade do ganho tecnológico, mas disso podemos falar mais abaixo.) Não se trata, aqui, de dizer que o peso do Brasil é menor que o da Bélgica, mas de apontar que a comparação é descabida: o que vale é o peso por cidadão, e a Bélgica é do tamanho do Rio Grande do Sul, não do Brasil. A idéia de se congelar as emissões chinesas enquanto as européias baixariam para dois terços do que são significaria congelar uma disparidade econômica entre a China e a Europa.

O problema de apontar essa hipocrisia, claro, é tomar cuidado para não se unir às vozes dos políticos dos tais países de terceiro mundo que, por sua vez, utilizam-se da hipocrisia europeia como justificativa para fazer qualquer barbárie ambiental (e algumas barbáries sociais junto, que ninguém é de ferro). Nessa roda de empurra, todos sabem que o problema – quer creiam nele ou não – pode ser atribuído aos outros, e que, principalmente, quanto mais dinheiro se acumular antes da bomba explodir, melhor a posição relativa da sua pólis, e portanto sua capacidade de lidar com a mudança, e portanto o poder e riqueza dos estratos superiores aos quais um político pertence; a posição absoluta de miséria de seus concidadãos, quanto mais a dos cidadãos alheios, é uma consideração menor. Por conta dessa ciranda, as apostas já são de que vamos ultrapassar nosso “orçamento” de emissões de carbono máximas para um mundo reconhecível em mais de cinco vezes.

A traição aos letrados

No Brasil, em particular, mas um tanto em todo o mundo, a própria situação da “pólis” brasileira parece às vezes secundária para nossas elites, até mesmo a situação de longo prazo de seus próprios grupos; em parte devido à continuada percepção de questões ambientais como “sociais”, isso é pertencentes ao âmbito da caridade e não do planejamento duro, econômico, prático. A questão ambiental é vista como a proteção da beleza cênica ou de pobres coitados ameaçados, e não como algo que possa influenciar questões “realmente importantes”, um preconceito comum que se aplica também a questões sociais e é perfeitamente capaz de ignorar petabytes de dados concretos. Nesse sentido, a questão ambiental demonstra mais do que outras como o termo “tecnocracia” merece uma qualificação: ela não é o governo do conhecimento, da techné em sentido amplo, mas acima de tudo o governo de uma técnica específica, que é o conhecimento burocrático, e que não é diretamente ligado à ciência moderna, ao contrário do apregoado. Não custa lembrar, afinal, que a tecnocracia nasce na China T’Ang, com exames em que se avaliava o conhecimento pelo examinado de cânones ortodoxos, e nem a noblesse d’état deixou de existir. Ele pode até utilizar-se de instrumentos científicos – da estatística bayesiana à química metalúrgica – mas apenas instrumentalmente, e não como referendadores de tomadas de decisões. As anedotas atribuídas a Lina Bo Bardi ou Niemeyer, de que teriam desenhado prédios “impossíveis” e deixado aos engenheiros a tarefa de realizá-los mesmo assim, seriam corriqueiras para um tecnocrata.

Mais do que isso, o estranhamento entre os tecnocratas e o conhecimento científico dá espaço para a classificação de senso comum desses conhecimentos científicos ou paracientíficos entre os “sérios” e os “acessórios.” Estes, a engenharia, a economia, os úteis para se lucrar; aqueles, todos os outros; e mesmo a engenharia e a economia só são considerados úteis enquanto não apontarem questões embaraçosas. É esse o verdadeiro significado da divisão, por exemplo, entre economistas ortodoxos e heterodoxos; “heterodoxo” poderia muito bem também ser chamado de “herege”. Felizmente não se instalam autos-da-fé na Unicamp… A partir da divisão entre as ciências dignas de atenção principal e acessória, se estabelecem escalas diferentes de esforço para lidar com cada uma por parte do governo, tanto em consideração quanto em recursos. Por isso o dinheiro para se lidar com aquecimento global ou outras questões ambientais é considerado muito se for uma fração do destinado a “incentivar a economia” ou construir e manter rodovias: trata-se de escalas diferentes. Ao mesmo tempo, a desvalorização da ciência “contra” convive com uma hipervalorização da ciência “a favor,” com a crença numa solução salvadora simples – compartilhada, diga-se, pelas esquerdas altermundialistas. A diferença é a base dessa solução salvadora simples, se tecnológica ou social. Exemplo de solução salvadora simples de base tecnológica para um problema complexo: varrer os oceanos.  Exemplo de solução salvadora simples de base social: o crescimento zero (curiosamente, aplicado indistintamente a economias européias e africanas, apesar do abismo de diferença de nível de vida).

O problema é global, mas é tanto mais grave em países em que se somam o relativamente pequeno peso do setor científico (o Brasil, por exemplo, que tem menos graduados universitários que a Bolívia proporcionalmente, e menos pesquisadores do que a Argentina) e uma infecção particularmente grave do setor público pelo paradigma da “gestão” administrativa de faculdades de MBA. O pequeno número de pesquisadores permite que cada disciplina ou órgão de pesquisa e planejamento seja tanto mais insular e afenso ao diálogo – é o exemplo da EPE, que continua aliada ao setor empreiteiro-elétrico na grita por mais hidrelétricas com reservatório na Amazônia, inclusive utilizando-se da chantagem ambiental da energia nuclear, apesar de ser imprevisível e provavelmente pior a quantidade de água disponível no futuro, piorando as contas das tais usinas. Pior, apesar de as usinas poderem, ao incentivar o desmatamento, piorar a situação das usinas existentes. E a hipertrofia da “gestão” significa uma hipertrofia do tipo de pensamento que é pouco permeável a críticas.

A luz no fim do túnel é do trem de carga

Há quem aposte numa campanha popular – o “ultraje moral” – contra a indústria de petróleo, assim como funcionou a campanha contra o Apartheid. Descreio, apesar de acrescentar um exemplo mais próximo e importante, o da campanha contra o tráfico de escravos na Inglaterra, que atingia diretamente os lucros dos grandes negociantes domésticos, vistos como uma das bases da economia, ao contrário do Apartheid, que caiu de maduro e era política de um paiseco estrangeiro para a maioria dos que protestaram.  Não temos, ainda, nosso panfleto do navio Brooks. Talvez nunca o tenhamos, já que o imperativo de não causar aquecimento global não é tão simples quanto o de não escravizar teu semelhante ou não instituir um regime racista. Ter carro é causar aquecimento global? E viajar de avião? E ter um smartphone?

Mais ainda: o imperativo moral contra o sofrimento causado pela escravidão é relativamente simples. O aquecimento global é um dado científico complexo e de difícil compreensão para quem não tem uma educação razoável nas ciências da natureza; até mesmo aqueles que fazem campanha para mitigá-lo frequentemente se confundem sobre sua natureza e seus efeitos. Assim, volta e meia se utiliza de uma onda de calor ou catástrofe climática como “prova do aquecimento global” (um evento isolado não quer dizer nada, nunca). Assim, há quem atribua terremotos ao aquecimento global (não tem absolutamente nada a ver). E, assim, a indústria dos combustíveis fósseis, a mais rica e poderosa do mundo, mais do que qualquer governo, pode patrocinar a desinformação que faz com que o aquecimento global possa parecer algo contestado entre cientistas, e não amplamente aceito. Às vezes o tiro sai pela culatra, como no estudo encomendado pelos irmãos Koch, mas em geral a estratégia funciona – com direito às pessoas  se perguntando se não há interesses financeiros “dos dois lados” (como se o Greenpeace e a Exxon fossem atores equivalentes).

Mesmo a idéia de que os governos “farão algo” em resposta a uma catástrofe definitivamente ligada ao aquecimento global antropogênico é, talvez, demasiado otimista. Ela assume que o “fazer algo” será algo pragmático, no sentido próprio da palavra e não naquele sentido que políticos geralmente utilizam. Pelo contrário, acho que o o “fazer algo” consistirá de megaprojetos, daqueles que envolvem megalucros para corporações igualmente mega, com consequências imprevistas e geralmente indesejadas, e talvez resultados pífios. Coisas como derramar milhões de toneladas de limalha de ferro no mar para estimular o fitoplâncton, ou instalar espelhos gigantes no espaço, ou criar vastos painéis de absorção química de carbono. Pobres dos bangladeshis.

PS: se quiser saber em quanto você contribui para a destruição da metade de baixo da humanidade, aqui tem uma calculadora de pegada de carbono razoáverzinha.

PS: sem dúvida, o aquecimento global antropogênico é apenas a mais urgente e imprevisível das catástrofes globais antropogênicas. Também tem a desertificação das terras, a acidificação, plastificação, e eutrofização dos oceanos, a extinção de diversidade natural e humana, a deposição de metais na atmohidrobiosfera, e outras menos cotadas.

 

Tiago Thuin
Tiago Thuin é carioca, formado em jornalismo, mas não exerce mais nem como um nem como o outro.

http://twitter.com/Rasputhuin